PTEN

Tecnologia

 

 

Desde a sua criação que a Orivárzea tem vindo a investir na mais avançada tecnologia com um propósito aparentemente paradoxal mas muito claro: nunca deixar de produzir um arroz com características artesanais. A Orivárzea acredita que, mais do que nunca, para uma marca se diferenciar e crescer no mercado, é essencial ir ao encontro do que o consumidor realmente deseja. E o consumidor deseja cada vez mais a autenticidade e a qualidade que só uma produção extremamente cuidadosa permite.

 

É assim que a Orivárzea vê a tecnologia: não como um fim em si mesma, mas como um meio de oferecer aos seus clientes o melhor arroz de Portugal de forma rentável para os seus agricultores. Uma preocupação que começa no controle da semente produzida pela própria empresa e que acaba no transporte das embalagens para o ponto de venda.

 

Graças à filosofia cooperativista que desde sempre inspirou a empresa, a compra de equipamentos de última geração é repartida por todos os agricultores e rentabilizada na utilização intensiva e partilhada dos mesmos. Seja na mais moderna frota de ceifeiras, seja nos silos equipados com máquinas de ar frio-sêco, seja na mais moderna linha industrial do país de descasque e embalamento de arroz instalada de raiz em 2010 na unidade de Salvaterra de Magos, a preocupação é sempre a mesma: produzir e levar até ao consumidor um arroz incomparável.

 

A somar a todo o investimento tecnológico, o investimento humano. Uma equipa de engenheiros agrónomos, técnicos laboratoriais, engenheiros de produção e técnicos de marketing asseguram um alto nível de profissionalismo em todas as fases do cultivo, produção e comercialização nacional e internacional do arroz, somando ao reconhecimento profissional o brio de produzirem o melhor arroz de Portugal.

Controle de Qualidade

 

 

A Orivárzea é uma empresa certificada no sistema de gestão da qualidade através das normas ISO 9000:2008. Só isso é uma garantia absolutamente sólida do respeito absoluto aos mais rigorosos critérios de controle de qualidade disponíveis na indústria mundial.

 

A esse controle soma-se ainda o CERTIF da Associação para a Certificação de Produtos e Serviços, e o sistema HACCP-Hazard Analysis and Critical Control Point, que acrescentam todas as garantias em termos da qualidade final do produto que chega ao consumidor dentro das embalagens.

 

Esse controle passa por um rastreio detalhado, desde os arrozais cultivados exclusivamente pelo seu agrupamento de orizicultores, até às mãos do consumidor. O departamento técnico está dotado com equipamento específico que permite controlar a qualidade de cada bago desde o início. É a Orivárzea quem uniformiza o aconselhamento da produção de determinadas variedades, a calendarização das sementeiras, as datas e formas de recolha das ceifas.

 

São os seus engenheiros agrónomos que determinam e supervisionam os tratamentos e os métodos de controle de pragas ou espécies infestantes. Também os processos de secagem e conservação são escrupulosamente controlados pela equipa Orivárzea, com monitorização contínua dos níveis de temperatura e humidade e controle de contaminação biológica e microbiológica.

 

Mas a maior garantia de controle de qualidade não vem de fora. Vem dos critérios de qualidade que os agricultores que compõem a Orivárzea se impusersam e que são, desde sempre, mais exigentes do que os oficiais. Por uma razão muito simples: se a qualidade do produto não for a melhor, a Orivárzea não pode trocar de fornecedor.

 

Os interesses dos agricultores são os mesmos dos da indústria, porque uns e outros são a mesma entidade.

 

A Orivárzea é a única empresa produtora de arroz em Portugal responsável também pela sua comercialização, e, em termos de qualidade, isso faz toda a diferença. E dá ao consumidor todas as garantias.